A história da população negra em São Paulo é marcada não só por lembranças, mas também pelas ausências.

Seis roteiros da Jornada do Patrimônio propõem uma busca por São Paulo atrás dos marcos na cidade que contam a participação dos negros na formação de São Paulo e uma reflexão sobre a posição na história da cidade.

Territórios negros do centro de São Paulo, conduzido pelo escritor e jornalista Abílio Ferreira, vai homenagear o escultor Joaquim Pinto de Oliveira, conhecido como Tebas, que foi alforriado no século 18 pela sua produção significativa de obras de cantaria (pedra entalhada). A caminhada, neste sábado às 15h, passará pela Igreja Nossa Senhora da Boa Morte e pela Igreja da Ordem Terceira do Carmo, de negros e pardos, e terminar no Largo da Memória.

O roteiro Abolição e cotidiano em São Paulo passará por locais no centro de São Paulo que mostram a presença do negro na cidade e recuperam o cotidiano, as lutas pelo fim da escravidão e sua participação no crescimento da cidade. O passeio sai da Capela da Santa Cruz das Almas dos Enforcados, no sábado às 15h, e vai até a Igreja do Rosário dos Homens Pretos, no Largo do Paissandu.

Já o passeio Cartografias de SP: presença e ausência da população negra, que parte da praça Antonio Prado, no sábado a partir das 10h, se propõe buscar a presença negra a partir de mapas do início do século 20. O passeio vai contrapor esse material a narrativas que colocam os negros como sujeitos.

Partindo de uma visão do quilombo como local de resistência, e não apenas um esconderijo, a rota Saracura: um quilombo no centro de São Paulo, no sábado às 9h30, discute se o bairro do Bixiga abrigou um quilombo em São Paulo, no local onde hoje fica a sede da escola de samba Vai Vai.

No sábado de manhã, saindo da Praça da Liberdade, o roteiro Outras faces da história: SP a partir da trajetória de mulheres negras une a discussão sobre a temática negra com o feminino, abordando a trajetória de mulheres negras ao longo do século 19 e início do século 20.

Fora do centro, o roteiro Origens de Cidade Tiradentes conta a formação do bairro, que é o terceiro distrito com maior percentual de negros (55,4%). O passeio, programado para o domingo, a partir das 15h, parte do Casa de Cultura Cidade Tiradentes (Casa de Cultura Municipal Hip Hop Leste) e passará por igrejas e outros marcos da região, finalizando com uma roda de conversa.